O BODE PREFEITO DA CAPITAL UAUÁ

O BODE  PREFEITO DA CAPITAL UAUÁ

O BODE
PREFEITO DA CAPITAL UAUÁ

Veio a emancipação
Foi preciso organizar
Câmara e Prefeitura
Para administrar
E dar forma a cidade
Que do bode é capitá

Por mais de setenta anos
Repete-se no sertão
Animais se revezando
Manobrando o povão
Parece mais com a selva
Quando é tempo de eleição

Todo bicho aparece
Para se candidatar
Muitos foram prefeitos
E poderam governar
O prefeito hoje é o lobo
E o bode vai entrar

Na prefeitura passou
Muitos homens de ideais
Uauá também já foi
Governado por animais
Com o lobo no poder
Virou alcatéia rapaz

Já governou periquito
Por dez anos Papagaio
E também já foi prefeito
Um boi manso um boi pintado
Juntando a bicharada
O zoológico está formado

Já governou um lagarto
Chamavam-lhe de Papú
Um marisco do mar
Conhecido por Pitu
Já governou um vaqueiro
Carcará e Urubu

Agora é chegada a hora
Nosso povo vai votar
Para poder escolher
O prefeito de Uauá
Agora é a vez do bode
Pois é dele a capitá

BGG defende o nome
Como melhor candidato
Nada de cabra forte
É o bode meu compadre
É o futuro prefeito
Da nossa comunidade

É o mais puro direito
É a nossa salvação
Os bichos que lá passaram
Foi uma decepção
Mas agora com o bode
Vai ser a revolução

O bode é autoridade
É cangaceiro também
Alimentou Lampião
Jesus Cristo em Belém
Só Herodes não provou
Do gosto que o bode tem

Viu a guerra de Canudos
Alimentou Conselheiro
Viu também os revoltosos
Os tapuias em desespero
A pedra do Bendegó
Dentro do despenhadeiro

Testemunhou a história
Muito bem pode falar
O seu berro não mudou
E nunca que vai mudar
Agora com esta história
É que o bode vai berrar

O bode é o mais bonito
Dos bichos que aqui há
Só aquela bela barba
Todo mundo quer olhar
Dessa vez vai dar o bode
Ou o bode é quem vai dá

Pêlo liso e brioso
Seus cascos são refinados
Seus olhos limpos brilhantes
Os seus chifres afiados
O seu berro uma cantiga
Bem aceita no mercado

O bode anda na escada
Na parede se quiser
Bem vestido e arrumado
Mas parece um coroné
O bode é muito macho
Tem a cabra por mulher

O Bode é Folclore
O Bode é Popular
O Bode Economia
Para a Nossa Uauá
No Dia Três de Outubro
Neste Bode Vou Votar

Seus filhos são o futuro
Da vida neste sertão
Cabritos e cabritinhas
O bodeco e o bodão
O bode o genitor
Seus filhos a geração

Já demonstrei a razão
E porque apoio o bode
Pois eu sou o BGG
E comigo ninguém pode
A bomba está armada
Se não mexer não explode

Convoco os uauaenses
Não exitem meus irmãos
Vamos votar no bode
E pedir a proteção
Ao meu santo padroeiro
O Batista São João

Preste atenção eleitor
Bem na hora de votar
O voto certo no bode
Para não se atrapalhar
Outros bichos se camuflam
Para a todos enganar

Vote certo vote bode
É só a tecla apertar
E naquele mesmo instante
Um apito vai tocar
Aperta na tecla verde
Para o voto confirmar

Já votei por tanto tempo
Já cansei de votar
Bicho entra bicho sai
E nada de melhorar
Dessa vez vai dar o bode
Ou o bicho vai pegar

BGG organizou
Um debate articulado
Papagaio e periquito
Vão ficar engaiolados
Boi manso num só piquete
E no outro o boi pintado

O lobo fica na jaula
No caçuá o pitu
O bode senta num toco
Na parede o papu
O mediador do debate
Foi o amigo peru

Pergunta pro boi pintado
Como pensa em governar
A força que tem um boi
Não se pode duvidar
Se isso não resolver
O chifre eu vou usar

Perguntado ao boi manso
Se eleito o que faria
Esse boi todo jeitoso
A conversa mudaria
Tem que ser com muita calma
Com prazer e alegria

Eu botava pra quebrar
Assim falou o pitu
Sem concordar com a idéia
Virou a calda pra o sul
Esse é inexperiente
Sentenciou o papu

Como tu governarias
Perguntou o amigo peru
Embalançando a cabeça
Respondeu o seu papu
Farei tudo nos conformes
Para mim ta tudo azul

Eu acho que sou o bicho
O lobo logo afirmou
Só um lobo meio homem
Para ser governador
Sem apoio da galera
Só de raiva o lobo uivou

O bode então falou
Represento a produção
A pele para artifício
O adubo para o chão
O meu berro que anima
A festa da exposição

Quando chega o São João
O fato para a ressaca
Carne assada tira gosto
A paçoca e a buchada
Sarapatel pra dar força
Na hora da alvorada

O bode é alimento
O bode é popular
O bode economia
Para a nossa Uauá
No dia três de Outubro
Neste bode vou votar

Antes de terminar
Essa minha falação
Meu programa de governo
Vou mostrar para o povão
Nossas potencialidades
Com bastante precisão

Realizar seminários
Discutir a educação
A saúde a cultura
A nossa alimentação
A geração de emprego
A auto-sustentação

Discutir meio ambiente
A nossa economia
O turismo o São João
O que planta o que cria
Planejar nossa cidade
Para o tempo que viria

Transporte para estudante
Será tudo transformado
Andar em camionete
Isso é coisa do passado
Pois no governo do bode
Todo carro é fechado

A nossa universidade
Será a revolução
Pra gente de toda idade
E também para o povão
Terá a gratuidade
Não precisa pagar não

Em todos os povoados
Haverá uma ambulância
E os postos de saúde
Que serão mais importantes
Um parto uma cirurgia
Realiza num instante

O bode vai pro estrangeiro
Para abrir nosso mercado
Garantir a exportação
Está tudo acordado
Não haverá desemprego
Nem salário atrasado

Para completar a cadeia
Do chifre até o estrume
Chifre fábrica de botões
Pele cria-se um curtume
Trabalha-se dia e noite
Quem clareia é o vaga-lume

Em quatro anos eu bode
Mudarei toda Uauá
E assim provo porque
É do bode a capitá
Agora é minha vez
É o conceito popular

Estou firme decidido
De me oportunizar
Colocando o meu nome
Para o meu povo julgar
Se de fato é do bode
Essa nossa capitá

Alimento o turista
E toda população
Eu criei o sertanejo
Por todo alto sertão
Com todas essas virtudes
Está ganha a eleição

Os bois se enfureceram
O papagaio protestou
O papú ficou zangado
O pitu se injuriou
Periquito em revoada
E o lobo então uivou

O peru assim falou
Para toda bicharada
O debate se encerrou
A coisa tá complicada
O bode se saiu bem
O resto foi marmelada

O bode não quer combate
Conflito nem divisão
O que o bode propõe
É a tal sustentação
Desenvolver Uauá
É a sua decisão

O bode não tem partido
Religião e nem cor
Aceita qualquer vivente
Pés descalço ou doutor
Juntando as diferenças
Uauá é um amor

Caro amigo eleitor
Ponha a mão na consciência
Vote certo meu amigo
Não use conveniência
Pois agüentar quatro anos
Haja santa paciência

Vamos votar no bode
Vamos no bode votar
Vamos confiar no bode
Pois o bode vai berrar
Vai ser no berro do bode
Que vamos todos votar

Sou uauaense arretado
Eu sou mesmo um bodeiro
Venho declarar meu voto
Para o pai de chiqueiro
O meu voto é do bode
O meu voto é verdadeiro

Terminada a votação
Os votos foram apurar
O bode logo disparou
Ninguém pode acompanhar
Declarado eleito o bode
Antes mesmo de findar

Na hora do resultado
O povo todo gritou
E naquele mesmo instante
O bode então berrou
A prefeitura é do bode
Foi o bode quem ganhou

O bode foi o eleito
Prefeito da capital
Mandou botar o seu busto
Bem na praça principal
Do outro lado o vaqueiro
Ficou tudo original

Após a posse do bode
Passou a executar
Publicou logo um decreto
Para ao povo informar
Os recursos disponíveis
Para administrar

O decreto mais polêmico
Agitou toda Uauá
Pois os carros da cidade
Tinham todos que trocar
A buzina dos veículos
É o bode a berrar

Uauá desenvolveu
O bode valorizou
O povão tá satisfeito
A cultura se mostrou
A verdade é que a cidade
A muito se transformou

Diante de tudo isso
Houve uma decisão
Pois virou unanimidade
A sua reeleição
No mundo quem manda é Deus
E o bode no sertão

Já se fala que o bode
Será nosso deputado
Outros vão mais além
Querem ele no senado
Governador é conseqüência
Pra presidente apontado

Mas o nosso bode é sábio
E tem muita habilidade
Sabe bem discernir
O que certo o que é errado
Vai preparar outro bicho
Pra governar a cidade

BGG da Mata Virgem
Poeta Popular
AGO – 2008

escrever alguma coisa

Não vamos mostrar seu e-mail.